jueves, 15 de febrero de 2018

FALADOIRO (lugar no que se murmura):

   

Sobre a debeda pública  galega e a quita.

    Magnífica exposición de Manuel Lago sobre as causas e as posibles solucions.

Todo el poder para el clic


La globalización escribe recto con renglones torcidos

Gracias a su capacidad de innovación y al favor de los consumidores, Google y Facebook han logrado hacerse con el 80% del mercado publicitario digital mundial. Pero la utilización fraudulenta de estas plataformas por terceros para diseminar noticias falsas, contenido inapropiado, incitar el odio o justificar la violencia hace peligrar la confianza de los consumidores y anunciantes.

Un argentino se hace pasar por su hija de 11 años y da una paliza a su acosador

 El padre concertó un encuentro con el hombre que chateaba con la niña y le mandaba fotos sexuales

Cuando el Mediterráneo se secó y las ratas llegaron a España

Cataluña y el sur de Francia fueron refugios climáticos durante el período de aridez que comenzó a azotar la península hace 12 millones de años

martes, 13 de febrero de 2018

FALADOIRO (lugar no que se murmura): #MeToo Movimiento solo el comienzo.- El bilingüismo podría compensar los cambios cerebrales en el Alzheimer

#MeToo Movement Only the Beginning

 #MeToo Movimiento solo el comienzo


 cuando un ejército de actrices de nivel A se ponen negras en los Golden Globe Awards en honor al movimiento #MeToo, es alentador. Cuando una gran cantidad de poderosos hombres de alto perfil pierden sus empleos en las industrias, desde el cine hasta el periodismo como respuesta al acoso sexual y los reclamos de asalto, puede parecer que ha llegado la justicia.
Sin embargo, Jennifer Hunt, profesora asociada de psicología del estado de Buffalo, enfatizó que no deberíamos ver estos eventos como el final de una historia fea. Más bien, son solo el comienzo.

 
"Lo que en última instancia debe suceder para ver el cambio sostenible es que las estructuras en nuestra sociedad cambien", dijo Hunt, un psicólogo social cuya investigación incluye los efectos del género, la raza y la cultura en nuestra vida cotidiana. "Debe haber una transformación de lo individual a lo sistémico". Desplumando (Today Show host) Matt Lauer no va a cambiar una cultura poderosa donde los hombres pueden atraer a las mujeres con la expectativa de tener relaciones sexuales ".
Hunt ha estudiado las mujeres y el género desde que realizó su doctorado en la Universidad de Minnesota hace dos décadas. Recientemente se desempeñó como coordinadora del programa de Estudios de Mujeres y Género de la universidad, y enseña Psicología del Género, entre otros cursos.
Si bien Hunt dijo que aprecia a las celebridades que luchan contra décadas de maltrato a la mujer y que estimulan una conversación nacional, el acoso y el asalto sexual afectan de manera desproporcionada a las personas de bajo poder adquisitivo y de bajos ingresos.
"A menudo tienen mucha menos voz. Y lo que estas mujeres necesitan no es solo una voz, sino protecciones efectivas ".
La conciencia y la acción subsiguiente deben ser generalizadas, desde fábricas hasta pequeñas empresas y grandes corporaciones.
"El mejor predictor del acoso sexual es qué tan claras son las reglas de una organización con respecto al acoso sexual y cuán fuertemente se hacen cumplir", dijo. "Cuando los hombres se den cuenta de que se meterán en problemas, no es probable que cometan estos actos".
Pero son más que los líderes empresariales los responsables. Son maestros y padres también. Por ejemplo, dijo: "Tenemos que dejar de decir a las niñas que su valor proviene de la ternura o que los niños las golpean porque les gustan".
Y incumbe a todos hacer oír sus voces. Aunque participar en marchas de mujeres es una excelente muestra de solidaridad, dijo, las mujeres y los hombres que se preocupan por cuestiones como la agresión sexual, el acoso y la desigualdad de género también deben aparecer en las urnas y contactar a sus representantes políticos sobre los cambios que desean. ver.
Cuando los estudiantes de Hunt discutieron el movimiento #MeToo en clase, algunos de ellos no habían reconocido casos de asalto sexual y acoso en sus propias vidas, hasta el momento. En ese sentido, el movimiento está progresando.
"Es demasiado pronto para decir cuál será el resultado a largo plazo", dijo Hunt. "Tomará un nuevo examen de nuestra sociedad. ¿Cómo criamos a nuestros hijos? ¿Cómo manejamos nuestras escuelas y nuestros negocios? Hacer cambios sostenibles implica mucho trabajo ".







Bilingualism could offset brain changes in Alzheimer’s

 El bilingüismo podría compensar los cambios cerebrales en el Alzheimer

 

Después de más de una década de investigación, sabemos esto: es bueno para su cerebro conocer otro idioma.
Un nuevo estudio de Concordia va más allá, sin embargo, centrándose específicamente en los efectos de conocer un segundo idioma para pacientes con enfermedad de Alzheimer (EA) y deterioro cognitivo leve (DCL, un estado de riesgo para la EA).
"La mayoría de las investigaciones previas sobre la estructura cerebral se llevaron a cabo con adultos jóvenes o adultos sanos", dice Natalie Phillips, profesora del Departamento de Psicología.
"Nuestro nuevo estudio contribuye a la hipótesis de que tener dos idiomas ejerce regiones cerebrales específicas y puede aumentar el grosor cortical y la densidad de materia gris. Y amplía estos hallazgos al demostrar que estas diferencias estructurales se pueden ver en los cerebros de pacientes con AD y MCI multilingües. "
El estudio de Phillips, dirigido por la graduada en psicología de Concordia Hilary D. Duncan (PhD 17), pronto se publicará en Neuropsychologia (enero de 2018).
Nuevos métodos: ingrese la MRI
Phillips y su equipo son los primeros en utilizar datos de resonancia magnética de alta resolución y todo el cerebro y sofisticadas técnicas de análisis para medir el espesor cortical y la densidad tisular dentro de áreas específicas del cerebro.
A saber, investigaron las áreas de control del lenguaje y la cognición en las regiones frontales del cerebro y las estructuras del lóbulo temporal medial que son importantes para la memoria y son áreas cerebrales que se sabe atrofian en pacientes con MCI y AD.
"Estudios previos utilizaron tomografías computarizadas, que son una medida mucho menos sensible", dice Phillips, director fundador del Laboratorio de Cognición, Envejecimiento y Psicofisiología (CAP) de Concordia.
El estudio analizó resonancias magnéticas de pacientes participantes de la Clínica de Memoria del Hospital General Judío en Montreal.
Su muestra incluyó 34 pacientes con MCI monolingüe, 34 pacientes con MCI multilingües, 13 pacientes con EA monolingüe y 13 pacientes con AD multilingües.
Phillips cree que su estudio es el primero en evaluar la estructura de las regiones de control cognitivo y del lenguaje de los pacientes con MCI y AD. También es el primero en demostrar una asociación entre las regiones del cerebro y la función de memoria en estos grupos, y el primero en controlar el estado de inmigración en estos grupos.
"Nuestros resultados contribuyen a la investigación que indica que hablar más de un idioma es uno de los factores del estilo de vida que contribuye a la reserva cognitiva", dice Phillips.
"Apoyan la idea de que el multilingüismo y sus beneficios cognitivos y socioculturales asociados están asociados con la plasticidad cerebral".
¿Que sigue?
Phillips y su equipo ya están aprovechando sus hallazgos.
"Nuestro estudio parece sugerir que las personas multilingües son capaces de compensar la pérdida de tejido relacionada con la EA accediendo a redes alternativas u otras regiones del cerebro para el procesamiento de la memoria. Estamos investigando activamente esa hipótesis ahora".
 

sábado, 10 de febrero de 2018

Curiosa a forma de comunicar e falar da justiça da MInistra Brasileira do Trabalho.




Nem na ficção mais maluca você poderia imaginar uma ministra do trabalho... Falar de coisas tão serias como a justiça e a justiça   trabalhista ou laboral. Ela está a defenderse de ataques de gentes malucas para ela, e rodeiase de amigos ou  colegas  dispostos a irem com ela  até onde ela quiser. Muito engraçado tudo.












ENTROIDO, ENTRUDO, CARNAVAL.



  

José Afonso canta esta Moda do Entrudo ("dias de festejo anteriores à Quarta-Feira de Cinzas; Carnaval"), canción popular de Malpica do Tejo, pequeña localidad cerca de Castelo Branco.

        Outras mostras de   Entrudo, entroido ou  carnaval,
    LAZA em Ourense,   Lazarim , Entrudo chocalheiro de  Podence em Macedo dos cavaleiros  ou as pantallas de Xinzo. 



miércoles, 7 de febrero de 2018

De vez em quando um livro. FOCO. Daniel Goleman. O valor duma mente a deriva. A criatividade à solta


Um conto de fadas persa fala-nos dos três príncipes de Serendip, que "estavam sempre a fazer descobertas, por accidente e sagacidde, de coisas de que não andavam à procura". 
                     Mesmo é assim 
                   como funciona
                              a criatividade  á solta.
Embora as novas ideias não surgem se não tivermos nada dentro.
A consciencia aberta cria uma plataforma mental para innovações criativas e intuições inesperadas.

                    Um foco aberto deixa-nos recetivo a todo e  a qualquer pensamento, sentimento ou perceção. Nós não julgamos o que chega, apenas recebemos.
        O acaso favorece uma mente preparada.
        O sonhar acordado gera descoberta criativa.
       Os sinhais  cerebrais envueltos na divagação mental estão ativos precisamente ante as pessoas chegarem a uma intuição criativa.
        Os adultos con disturbios de défice de atenção, por comparação com os que não têm, mostram também níveis mais elevados de pensamento criativo orginal e mais realizações criativas correntes.  Quando há disturbio de défice e hiperactividade, esta diminui no adulto  mas mantên-se  o disturbio de défice de atenção. 
                       

          Num mundo complexo, em que quase todos têm acceso a uma informação, um novo valor é  atribuido às síntesis originais. A junção de ideias de formas novas e ao fazer perguntas inteligentes que abram uma potencial por desvendar.
            A nossa mente contém inúmeras ideias, recordações e associações potenciais à espera de serem realizadas. Mas a probabilidade de a ideia certa se ligar  à recordação, diminui drásticamente quuando estamos ou hiperfocados ou demasiado sobrecarregados por distrações para repararmos na intuição.  
       


jueves, 1 de febrero de 2018

De vez em quando um livro. FOCO. Daniel Goleman. O valor duma mente a deriva.


É BOM DIVAGAR ?



A atenção  focada, incitada por objetivos, tem mais valor do que a consciencia atenta e esponânea.
AGORA BEM
O presuposto de que a atenção debe estar ao serviço de objetivos e resolução de problemas,
SUBESTIMA a
Frutuosa tendencia das mentes para divagar,
se se deixa.
A metade dos nossos pensamentos são divagações espontâneas. Isso sugere ter habido uma evolução no homem  o fantasioso.
Aproveitar a mente divagadora
ou seja divagar  para algo de valor.

      É impossível instruir alguém para  ter pensamentos espontáneos, ou seja divagar.  
Se se quisser capturar pensamentos divagantes à solta, ter-se-á de agarrá-los assim que aparecem.
A tendência interna para divagar para longe de um foco e tão forte que os cientistas cognitivos veem a mente divagante como o modo de funcionamento-padrão do cérebro, quando um não esta a trabalhar em determinada tarefa mental.
                       O divagar desvíanos
 do foco do desempenho de tarefas cognititvas exigentes.
                         Para onde divaga a mente?

       - Preocupações pessoas correntes.
       -Problemas em aberto.
       -Coisas a resolver
                             Embora
A divagação da mente possa perdjudicar o nosso foco inmediato na tarefa que temos em maõs em alguma parte , 
                     a divagação é  positiva para nós
 em quanto age ao serviço da resolução de problemas que para nós são importantes. 
                            Além disso,
Uma mente a deriva  permite que os nossos sucos criativos fluam.
           Funções positivas da divagação da mente:  
                           -Criação de cenários futuros. 
             -Reflexão sobre si próprio. 
             -Moverse nun mundo socialmente complexo. 
             -Flexibilidade do foco.
             -Reflexão sobre aquilo que se está a aprender.
             -Organização da nossa memoria.
             -Descansar a nossa rede de circuitos para uma focagem mais intensa.
             -Lembrar-me de coisas que tenho que fazer. 
             -Divertir-me. 
     São características úteis, se deixar vagar a mente. É necesario e bom divagar.  
 
    






martes, 30 de enero de 2018

De vez em quando um livro. FOCO. Daniel Goleman. Gosta do que faz? A Atenção de cima e de baixo.

   Então , um dia, a resposta surgiu-lhe "como um súbito relámpago de luz."

        A historia da creatividade está cheia de relatos de como surgiu: com brevidade, repentinamenente e certeza inmediata. O sujeito é incluso apanhado de surpresa.
        ¿ Porqué passa isto? ¿qual é o enigma?
      O nosso cérebro tem dos sistemas semi-independentes, em gran parte separados.
        Um deles tem um grande poder computacional. Está operando constantemente, ronronado em sossego, par  resolver os nossos problemas, supreendendo-nos com uma súbita soluçãao para uma completa ponderação. Este sistema apresenta o fruto das suas vastas tarefas como se surgisse vindo do nada e numa grande profusão de formas , desde a construção da sintaxe de uma frase até a construção de complexas provas matemáticas completamente acabadas.
    Esta atenção, vinda dos bastidores da mente surge em geral no centro do foco quando acontece o inesperado. Você está o telemóvel enquanto conduz e súbitamente uma buzinada fá-lo perceber que o semáforo mudou para verde.
     É como se houvesse duas mentes a trabalhar.
     A mente de baixo para cima  é: mais rápida, involuntária, intuitiva, impulsiva, excutoria, gestora dos nossos modelos mentais.
     A mente de cima para baixo é: mais lenta, voluntária, movida peo esforço, a sede do dominio de sí que por vezes sobrepom-se ás rotinas automáticas e enmudece os impulsos  emocionalmente desencadenados. É capaz de aprender novos modelos, de fazer novos planos e de comandar o nosso reportório automático, até certo ponto.
     A voluntariedade vem de cima para baixo, a atenção reflexa o hábito rotineiro são de baixo para cima. Quando escolhemos  harmonizar-nos com um bêlo por do sol, em lermos um livro, está no modo de funcionamento de cima para baixo. A nossa imaginação executa uma dança contínua entre a atenção fomentada pelos estímulos exteriores e o foco voluntariamente dirigido.
      A grande maioria das operações mentais ocorre nos bastidores da mente, por entre o ronronar dos sistemas de baixo para cima.
      O cérebro humano é uma das realizações bastante boas da evolução , mas não é perfeito. Os sistemas cerebrais de baixo para cima, mais antigos, funcionaram claramente bem durante a maior parte da pré-história humana. Mas ese modelo traz hoje alguns  problemas.
      As exigencias da sobrevivência na evolução mais antiga equipararam os nossos cérebros com  programas preé-definidos de baixo para cima, para a procração e a criaçãao dos filhos, para o que é agradável e desagradável, para fugir das ameaças ou ir atrás para o mundo muito diferente de hoje em dia. Embora hoje, nestes tempos, verificamos que precisamos con frequéncia de navegar a vida de CIMA PARA BAIXO, a pesar  da constante contracorrente de  caprichos e ânsias de baixo para acima. 
     O cerebro economiza energía. A balança e favorável quando usamos o sistema de abaixo para cima. Os sistema de baixo para cima distribuem as tarefas mentais entre si, para obtermos esforços mínimos com resultados ótimos. À medida que a familiariedade torna uma rotina mis fácil, esta passa de cima para baixo, até tudo se tornar automático. O cúmulo de automaticidade por ser observado no estado de FLUXO, em qu ea mestria desemboca numa atenção sem esforço y de gosto ao trabalhar. Quanto mais conseguirmos descontrair e confiar nos movimentos de baixo para cima, mais libertamos a mente para que se torne ingeniosa, arguta e súbtil.

      Receita para o fracaso.

      Relaxar e fazer o amor correm melhor quando nos limitamos a deixar que as coisas aconteçam sem tentar forçar. O sistema nervoso parasimpático, que é ligado durante estas atividades age de forma independente do sistema exécutivo do nosso cérebro, que pensa sobre isso.
      As gafes aumentam proporcionalmente em função  da nossa distração, da nossa tensão, ou de qualquer outra sobrecarga mental.
      Sobrecarregar a atençãao diminui o dominio mental. É no momento em que estamos mais tensos que esquecemos os nomes das pessoas que conhecemos bem, já para não falar  nas datas dos seus aniversarios, dos nossos aniversarios de casamento e de outros dados socialmente cruciais. Os investigadores descobriram que a prevalencia da obesidade nos Estados Unidos durante os últimos trinta anos acompanha a explosão de computadores e aparelhos teconológicos presentes na vida das pessoas.
      Uma vida imersa nas distrações digitais cria uma sobrecarga cognitiva praticamente constante. E essa sobrecarga fatiga o dominio de si mesmo. 

     A distorção de baixo para cima. 

            A rede de circuitos de baixo para cima aprende vorazmente e silenciosamente e aprende ao longo do dia. Esta aprendizagem implícita não precisa de alguma vez entrar no nossa conciência, a pesar de agir como um leme para o melhor e para o pior. 
      O sistema automático funciona bem durante a maior parte do tempo: Grazas o sistema  conseguimos pasar o dia, en quanto pensamos noutras coisas. Mas este sistema  também tem pontos fracos:
        .- As nossas emoções e as nossas  intenções crian distorções na nosssa atenção . problema é que não notamos esa distorçião, nem notamos que não notamos.

     Sequestro dos neurónios.

           Os mecanismos de atenção do nosso cérebro evoluiram durante centenas de milhares de anos para sobrevivirem numa selva de dentes e garras, onde  as ameaças se aproximavam os nossos antepassados dentro de um dominio visual específico e de uma sérei de velocidades. Pasou para  o nosso modelo neuronal.
     Os circuitos de baixo para cima localiza-nos mais rápidamente do que os objetos neutros e enviam um alarme.

      É impossível para o cerebro ignorar rostos que revelam emoções, em particular rostos zangados. Os rostos zangados destacam-se. O cérebro inferior será mesmo capaz de localizar uma figura animada com sobrancelhas em V mais rápidamente do que capta um rosto feliz.
     Estamos programados para prestar atenção  reflexiva a estimulos  supernormais, quer digam respeito a segurança, quer a  nutriçãao ou quer o sexo. No mundo de hoje, os anuncios que jogam com esas mesmas inclinações pré-programadas puxam-nos também de baixo para cima, captando a nossa atençãao reflexiva. Basta asociar sexo ou prestígio a um produto para ativar este mesmos circuitos, incitando-nos a comprar por razões em que nem sequer reparamos.
      Trata-se de atenção pré-seleccionada de baixo para cima. Esta captura para o FOCO é uma escolha automática e involuntária. Somos mais propensos a emoções que  conduzem   o FOCO desta maneira quanto as mentes divagam, quando estaos distraídos, ou quando somos inundados por informações ou as tres coisas o mesmo tempo.
      Quando as emocões fortes nos invadem, conduzem o nosso foco, fixando-nos naquilo que tanto nos preocupa esquecendo o resto. São sequestros emocionais. Quanto mais forte for a emoção, maior a nossa fixação. Quanto tempo se mantém o nosso foco prisioneiro?. Isso depende, afinal , do poder da área pré-frontal esquerda para acalmar a amígdala estimulada. A capacidade de recuperação emocional resume-se à rapidez com que nos recuperarmos dos transtornos. As pessoas com elevada capacidade de recuperação podem chegar a ter trinta vezes mais ativação na área pré-frontal esqueda do que as outras pessoas.
    Embora as emoções possam conducir a nossa atenção, com esforço ativo podemos também gerir as emoções de cima para baixo. Nessa altura, as áreas pré-frontais ganham o dominio da amígdala, baixando-lhe a preotência.


 Um rosto zangado, ou mesmo aquele bebé tão engraçado, poderãao não ser capazes de captar a nossa atenção quando os circuitos para  o dominio de cima para baixo da atenção dominam as escolhas do cérebro acerca daquilo em que deveremos ocupar-nos, ou que debemos ignorar.

martes, 23 de enero de 2018

Não basta ser líder, é preciso parecer . A importancia da linguagem corporal.




    Neste blog já temos tratado o tema da linguagem corporal noutros posts. Assim,   também de TEDX, neste post  onde Amy Cudy  nos relata fantásticamente a importância da linguagem corporal na interação humana. Noutro TEDX, neste caso em Coimbra  Alexandre Monteiro dá-nos conselhos e truques sobre a linguagem corporal referida ó líder, ou como não só ser líder senão parecer líder.

     Umas pequenas dicas à modo de resumo do vídeo.
    As palavras transmitem  ideias, os gestos sentimentos. A coordinaçãao de palavras e gestos dão  o  resultado de juntar palavras e emoções.
   Que é Comunicar?.....É o que vocês percebem do que eu digo, não o que eu digo.
                                      As palavras, o tom de voz, a linguagem corporal, fazem parte da   comunicação. As palavras  são  só  um 7% de todam ela . 
    É preciso criar,  e expressar,  no comunicar   do líder:  CREDIBILIDADE, CONFIANÇA, AUTOESTIMA.
      O que o palestrante quer mostrar no vídeo são dicas, truques para anteciparse a reacção do nosso interlocutor,  querendo transmitir nós a liderança.
        Na atecipação  a recepção, aquí  ficam este truques.
1.- CONTACTO OCULAR. O contacto ocular, olhos nos olhos, deve ser empático, simpático, confiante. A falta de contacto ocular com outra pessoa indica baixa auto-estima por quem  rejeita  o olhar, Um líder não pode mostrar baixo auto-estima.
2.- QUEIXO HORIZONTAL.  Falar com o queixo horizontal  frente os demais, nem baixo nem alto.
3.- TRONCO, recto, braços abertos. Nem cruzados por diante do peito nem nas pernas.
4.- ONDE APONTE O   UMBIGO  da pessoa é donde está  o seu interesse.
5.- MãOS.  As palmas viradas para baixo trAnsmitem força e ordem.
6.- PES. Marcam o interesse onde aponta a  pessoa.
7.- APERTA DE MãO.   Vai marcar a interacção com a pessoa.
    Para ser líder é preciso o carisma, obviamente, mas é imprescindível  dominar a expressão da linguagem corporal .

     


   










sábado, 20 de enero de 2018

Os Merdas das Universidades - A propósito das praxes.






   Este post ja não é actualidade. Tem , a actualidade está ultrapassada,  talvez dois anos. Tal vez.   No programa o Eixo do mal  da SIC, onde uns comentadores  políticos fazem ou faziam destripamento da  actualidade política e social , cada queal  com a  mirada que lhe da  o  seu olho ideológico, normal.  Num dos debates habituais, uns dos  membros do painel de  comentadores, O Pedro Nunes,  expresava assim com este empolgamento, tal como  se ve  no vídeo, de forma muito empolgada, com força e veèmencia o que ele opinaba sobre as praxes nas Universidades portuguesas. Gostei do comentário do Nunes. 

      Para pormos  o carro antes dos bois, é precisso dizer que para quem leia este poste, pensando en espanhois principalmente galegos,  se calhar não ouviu falar ou não recorde o que são as praxes e qual foi a polémica que se produz em Portugal depois de  repetidas acções humilhantes e  de violência que  acabaram com dois estudantes  mortos por  acões de  praxes  na praia do Meco.    As praxes, são os mandados ou ordens  que recebem os caloiros, estudantes recem chegados a universidade, por parte dos chamados "veteranos" ou estududantes de mais anos já.  São práticas muito arraigadas na universidade Portuguesa que têm  os seus origens  na Universidade de  Coimbra, cerne do ensino universitario português. São as tão conhecidas "novatadas" de Espanha, só que em Portugal  está couberto de ritos e tradiciões,  como as das fitas , a recepção os caloiros etc. Como tudo, e entre o respeito a tradição e os fatos e falcatruas vistas há algúns que fazem perguntas e porquês. Porquê nesta altura ainda há coisas como estas , Porquê esta juventude tão bem coidadinha na sua infancia e tão preparada faz estas coisas ainda. Em Portugal há gente universitaria que defende muito as praxes como a integração do caloiro na Universidae, que é a melhor maneira de que se converta nun mais, que   através da praxe produz-se a  rotura do fio da desconfiança e através de um facto caricato,  incluso humillante o caloiro seja convertido num amigo mais. que será un veterano a continuar também com a praxe. A humilhação do calorio vai ser sanada, vengada e curada mais lá quando ele chegue ou passe a praxar, ou fazer praxes. Ele é praxado mas um día  praxará.

                      Bom, talvez seja, um debate interessante pensar que tudo o mundo vai fazer as praxes tão bonitas e elegantes que até gostem o caloiro. Não acredito que assim seja nem em Portugal nem quantas jogatadas se façam em Espanha. ESTOU TOTALMENTE EM CONTRA destas praticas chamem-se como se chamem. Esteve toda a minha vida em contra e persegui as mesmas todo o que pude nas minhas possibilidades e não cometi a ninguém a esta prática humilhante nunca . Penso que é bom gostarmos da broma, brincadeira, bródio, chalaça, que não deixe feridas e faça a risotas do que faz e do que recebe, bom. Embora, isso existe muito pouco e menos nas idades mais jovens o que acho é que é uma ocasião muita boca para florescerem lá do fundo os psicopatas os que gostam de humilhar os cabrões e os cobardes que estão acochados no matagal e aqui têm uma grande eira para desfrutar sem pagar custos nem render contas. São a legalização da cobardia mais mesquinha. E assim fica dito. 
                 Por isso fez a escolha desta intervenção do Nunes, porque eu houvesse dito o mesmo. Porque eu penso o mesmo que ele. Porque gosto que haja gente não politicamente correcta para denunciarem trapalhadas e humilhações que rematam na morte de dos jovens, sem contar os danos físicos e psíquicos os demais. Realmente é precisa esta merda no século XXI para integrar os alunos na Universidade?.  Deixa-me dar uma gargalhada que soe dende o Reino de Leão até o Algarve já pertencente o Reino de Portugal.